quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Wally, meu filho, onde está você?


A minha infância pode ser resumida em tentativas frustradas em aviões de encontrar um rapaz meio estranho, de óculos, que sempre usa roupas listradas vermelhas e brancas, que vive mais perdido que cego em tiroteio. Sim, eu tinha os livros Onde está o Wally?.

Era simplesmente o máximo. Pura adrenalina, cada página uma nova aventura. Quando o encontrava, então, com aquela cara de safadinho, escondido feliz no canto da figura? Eu sentia que podia fazer qualquer coisa, agora que tinha finalmente o encontrado.

E ainda tinham os objetos sugeridos pra achar, eu não mudava de desafio até encontrar tudinho. Sim, a vida um dia já foi simples.

Então, passeando pelos MSN da vida, uma amiga manda o link desta foto. Foi como ser encontrada após muito tempo perdida, se é que vocês me permitem usar a ironia da situação. Não pude deixar de compartilhar com vocês.

Para todos os companheiros de aventuras da infância, aqui está o Onde está o WALL-E?, uma brincadeirinha bem humorada que me entreteve pelos últimos 3 minutos. Parece que, com o tempo, eu realmente fiquei boa nisso.

Encontrem o WALL-E se puderem, mas atentem-se aos outros robozinhos também. Eu já vi cada um passeando pela imagem... Aiai.

Viva o lado Coca-Cola da vida.

Clique na imagem para zoom.

Um comentário:

janalipe disse...

Ainda bem que achei.Isso quer dizer o q? bjos Janaína FN