segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Lembra do Corcunda?

Pois é, um dia desses eu passei aqui dizendo que estava com uma "vontade estranha que vem do nada" de ver esse filme - O Corcunda de Notre Dame.

Não conhece?
Seu sem-infância...

Aquele da Disney, lembrou?
"Não tem a luz celestiaaaal".
Não?
Desisto.

Era sábado a noite, e eu resolvi achar a minha fita cassete, VHS, tanto faz, do Corcunda. Estava nas catacumbas da minha estante, cheio de poeira, e já criando formas de vida complexas e organizadas - estavam elegendo o presidente quando cheguei - e eu soprei a maldita poeira.

Neste momento eu lembrei que era alérgica a poeira, mas já era tarde demais.
"AAAAAAAAAAAAAAATCHIIIIIIIIM".
Foi mais ou menos assim.

CORRI LOUCAMENTE para o quarto da minha mãe - o único da casa que ainda dá pra assistir fitas de vídeo -, expulsei ela de lá (ou tentei), e coloquei o dito cujo pra funcionar.

Assisti o filme feliz.
E percebi várias coisas no final.

Percebi o quanto a morte da mãe do Quasímodo foi tosca, coisa que eu nem prestava atenção antes, pois me preocupava mais em... chorar.

Percebi que o Frollo é o vilão que eu menos gosto da Disney, pelo fato de ele ser completamente repulsivo. Hades, Jafar - todos esses são engraçados e carismáticos.
Eu geralmente gosto de vilões.
Mas desse não.

Mocinhos geralmente são pamonhas.
Mas eu gosto extramamente do Quasi. Eu nunca achei ele feio. Na verdade, só fui perceber que REALMENTE tinha algo de errado com ele dessa vez que eu assisti o filme.

Eu sempre fiquei triste porque ele não fica com a Esmeralda no final. Sério, aquele cara sofre muito.

Isso me fez lembrar que O Corcunda de Notre Dame certamente deve ser o filme mais TENSO da Disney.

Temos um 'bispo' malvado e safado, que canta uma música cujo refrão é "CIGANA, DO INFERNO, VOCÊ VAI ESCOLHER, MEU BEIJO, TÃO TERNO, OU NO INFERNO ARDEEEEER!".

Antes de qualquer coisa:

1- Wow.
2- Eles devem repetir a palavra "Inferno" umas 7 vezes na música.
3- POXA, SERÁ QUE NADA RIMA COM INFERNO? Tem inverno. Encaixa na música pra variar um pouco. XD
4- Ele canta isso num ambiente sinistro, cheio de seres encapuzados que ficam apontando na cara dele.
5- Eu sempre tive medo dessa música.
6- CARA, A VOZ DELE É TÃO LEGAL!

Chega de bipolarismo.

Temos o pobre Quasímodo que cresce "no teto" da Igreja, conversa com gárgulas - e elas respondem - e seu maior sonho é descer "para baixo". Isso já é tenso demais pra UM filme só.

Temos um bode. Sem comentários.

E temos um cara chamado Febo - "Sebo, Fedo? O que ele disse?".

Mas vocês pensam que isso é ruim?
É POR CAUSA DISSO QUE ESSE FILME É FANTÁÁSTICO.

Fora dos padrões.
Sem clichês.
Trilha sonora épica.

Assistam - ou assistam de novo, só pra conferir que isso tudo que eu estou falando é verdade.
Eu até gritaria pro mundo "ASSISTAM, PESSOAL!", mas é que eu tô rouca.
Sério mesmo.
Você: Legal, voz rouca é voz sexy! XD
Eu: Não, IDIOTA. É SEM voz, mesmo.

Oh, minha garganta...

Confiram aqui uma parte do filme, e a minha fala preferida:

Frollo - SILÊNCIO!
Esmeralda - JUSTIÇA!

OSCAR 2011

Como todo mundo sabe, ontem foi a noite do Oscar...

Eu não estou aqui para comentar o quanto eu achei justo O Discurso do Rei ter ganhado como melhor filme, nada disso. Nem para parabenizar a Natalie Portman pela sua atuação brilhante em Cisne Negro, que é isso. XD

Eu estou aqui para comentar o momento mais legal de toda a premiação - os pseudo-musicais.

Lá estava eu, esperando o prêmio de Melhores Efeitos Especiais, pra ver se Harry Potter tinha alguma chance... quando, de repente, surge um papo maluco sobre "ah, quase não teve musical esse ano", "como assim, Anne? É claro que teve um monte." ou coisa do tipo.

E, do nada, aparece o Rony na tela. Sim, uma cena de Relíquias da Morte no Oscar. E eu: "Será que eu apertei algum botão e mudei de canal sem querer?".

Não.
Era Harry Potter.
No Oscar.
Com o Rony cantando.

Eu já adorava essa parte do "Tiny Ball of Light" no filme, e agora posso cantar isso. Legal, né?

Eu ri muito com o remix da Rede Social, e o de Toy Story estava muito fofo. E tinha Crepúsculo... mas vamos pular essa parte.

Pra quem perdeu a premiação... ou simplesmente quer assistir de novo, aqui o bendito vídeo. Pronto, todos podem se viciar. XD



sábado, 26 de fevereiro de 2011

Vontades estranhas que vem do nada


Sabe aquelas vezes, em que você está aí, parado, jogando videogame, fazendo tarefa de matemática, salvando o país, comendo chocolate... e te dá vontade de plantar bananeira?

Não?
Mas o pensamento é por aí...

Esses dias, eu tive uma vontade absurda de assistir o filme O Corcunda de Notre Dame, da Disney.... assim, do nada.

E parei para pensar o quanto isso é comum comigo.
Tem vontades que não dá pra ignorar.
Algumas são até maiores que eu.

Se eu estou estudando, e me dá vontade de rabiscar o canto da página... eu fico completamente agoniada até ceder e rabiscar a página. Ai, que alívio.

Sou refém do meu próprio cérebro.

Lembro da vontade que me deu, no ano passado, de assistir um especial da Bela e a Fera de Natal. Eu nem sabia se tinha o VHS, mas não descansei até encontrar. E se não tivesse, comprava.

E assim eu assisti o Natal Encantado da Bela e a Fera.

Vontades insaciáveis que se apoderam do meu ser - morte a todas elas.

Espera.
Tem algumas legais.

Vontade de falar com aquele seu amigo do primário.
Vontade de desenhar uma flor, mesmo sabendo que a sua flor sempre parece uma girafa com torcicolo.
Vontade de comer aquele bolo com cobertura de chocolate..
Vontade, simplesmente, de ser feliz.

Assim... que vem do nada.

Aí vem um e se acha no direito de condenar.
"O Corcunda de Notre Dame? Mas isso é coisa de criancinha".
Isso merece a minha melhor bitch face - ela assusta mesmo.

Eu sou assim. Se eu QUERO fazer uma coisa, FAÇO.
Se eu QUERO descobrir uma coisa, não adianta esconder, uma hora DESCUBRO.

Se eu quero pular de um lado pro outro... quem é que vai me impedir?

Você?
Meu cérebro é mais poderoso.
Ele comanda, não se esqueça.
Não sou eu.
Nem você.



Cuide da SUA vida, e deixa eu lamber a neve em paz.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

O DIA - The Wizarding World of Harry Potter

Este post faz parte do especial DIÁRIO DE UMA VIAGEM PARA FLÓRIDA - THE SUNSHINE STATE. Parte 3.

E o dia havia chegado...
Sim, o dia de visitar o parque do Harry Potter.

Para uma super fã como eu, é a mesma coisa que um fanático religioso receber a confirmação que Deus existe. Ou quase.

Enfim, vamos falar do parque.

Islands of Adventure é um dos dois parques da Universal, e tem áreas separadas no parque para cada filme famoso. Exemplo: tem a área do Jurassic Park, da Marvel, do Dr. Seuss, a área do Harry Potter, entre outras.

O parque do Harry Potter dentro do parque [?] se chama The Wizarding World of Harry Potter - e sinceramente, é a parte que mais lota.

Escolhemos justamente a véspera de um feriado judeu para ir ao parque, POR ISSO ESTAVA A MAIOR CONFUSÃO. Era MUITA gente usando aquele chapéu judeu - o Kippa. Todos resolveram comemorar no parque, olha só que legal.

Depois de vagar pelo parque rindo do pessoal que usava as camisas do "Thing 1", "Thing 2" (Coisa 1, Coisa 2), parecia que tinha chegado a hora.

A entrada de Hogsmeada estava lá, na minha frente.
E eu?
Eu entrei.

E a mágica tinha só começado.

Logo na frente, podemos ver o Expresso de Hogwarts em tamanho real. Ele solta fumaça e faz barulho, é emocionante. De tempos em tempos, surge um maquinista do nada e ele começa a dar tchauzinho pra todos.

Entrada de Hogsmeade
Hogsmeade tem muitas lojas, mas a maioria é só fachada. Eu lembro de ter visto uma loja com a roupa da Hermione e o do Harry lá do Baile de Inverno. Mas cadê a do Rony, a mais legal? XD

A Zonko's é muito divertida. Tem tudo que a gente viu nos livros e filmes. Eu não comprei nada lá, infelizmente, mas fiquei encarando o Pufoso até eu lembrar que tenho alergia.

Alguns vendedores caracterizados fazem demonstrações com os produtos - mas eu saí de perto. É sério, eu ainda estava muito tímida naquele dia.  Era só alguém falar "Excuse me" que eu já me desesperava, sem saber o que fazer.

Mas vamos a loja que interessa. A Dedosdemel, ou Honeydukes, a loja de DOCES. Nossa, tinha CADA coisa lá. Varinhas de chocolate, Fudges, uma varidade enorme de bolos de caldeirão, SAPOS DE CHOCOLATE, FEIJÕEZINHOS DE TODOS OS SABORES...

Tenho que confessar que a minha vontade de comer os feijões era... quase nula. Esse "quase" é porque eu queria a caixa pra guardar de recordação. Mas, sério, gastar quase 10 dólares pra comer coisas que eu não gosto?  Lembrem-se, pessoal, não é só porque é Harry Potter que você tem que comprar tudo. Tem que ter noção também.

Eu comprei o sapo de chocolate. Quando eu abri, foi a maior surpresa: veio a figurinha da Rowena Ravenclaw, fundadora da Corvinal. A imagem era daquelas de vários planos, e parecia mesmo que ela estava saindo no papel. A caixa e a figurinha estão na minha escrivaninha, enfeitando o meu quarto.

Andando mais um pouco, podemos avistar uma das maiores filas do parque - a loja de varinhas do Olivaras (Ollivander). É um show dentro da loja, onde temos um Olivaras que escolhe alguém da platéia para escolher sua varinha - ou melhor, ser escolhido por ela.

Mas falamos disso melhor daqui a pouco.

Zonko's
A fila estava quilométrica, e nós resolvemos continuar andando. Em horários periódicos o dia inteiro, há vários outros shows pelo parque. Um deles é o coral de Hogwarts, com sapos coaxantes (de mentira, é claro), e outro é com os estudantes de Beauxbatons, Durmstrang e Hogwarts. Eles cantam uma versão muito animada de "Do the Hippogriff". É super dançante.
Olha só os judeus felizes...

Outra coisa muito legal e que eu não posso esquecer de contar é... a Cerveja Amanteigada. A fila também é enorme, mas eu precisava entrar em ALGUMA COISA, QUALQUER COISA. Lá estava eu, recebendo uma caneca grande, de líquido cor de caramelo escuro, CHEIA de espuma. Coragem, minha filha, tome.

Tomei.

WOW.

Aquele troço é fantástico.
Gosto de refrigerante misturado com milk shake de baunilha, bem gelado e com espuma. Eu adoro a espuma - menos aquele bigode chato que fica depois...


Cerveja nas mãos, seguimos nosso caminho, para ter a visão mais espetacular do parque. OH YEAH, o castelo.
Todo mundo para e fica encarando com cara de perturbado. Não dá pra evitar.

Descobri - segundos depois - que o castelo também era uma atração. Um simulador: "Harry Potter and the Forbidden Journey" (Harry Potter e a Jornada Proibida). O nome já diz tudo. Se é proibido, É CLARO que todo mundo quer entrar.

Mas a fila... 1 hora de espera.
"Ok, vamos rodar mais um pouco...".
Paramos numa lojinha na saída do simulador, e lá tinha TUDO. Pelúcias (da Edwiges, Fawkes, Bicuço), chaveiros, os filmes, os livros, cachecóis das Casas, canecas, porta-retratos, camisas...

Eu comprei meu cachecol da Grifinória, um conjunto de copos das Casas, um chaveiro de Vira-tempo, um travesseiro, uma blusa da Grifinória, uma Edwiges (Hedwig) de pelúcia... e muitas outras coisas.

Saí usando meu cachecol.
Mas o que eu queria saber era: "ONDE ESTÃO OS UNIFORMES?" - Eu preciso de um uniforme.
Mas isso fica pra mais tarde...

"Flight of the Hippogriff" (Voo do Hipogrifo) é uma montanha-russa familiar, muito fofa, mas sem nada muito brusco, ou que vira de cabeça pra baixo. Quer aventura? Vá no "Dragon Challenge" (Desafio do Dragão). Escolha o seu dragão e embarque numa aventura maluca com loopings, paradas repentinas, quedas - cada dragão é uma atração diferente. Mas é que eu não gosto de montanhas-russas...

Resolvemos deixar para voltar no Harry Potter mais tarde. Estava muito lotado, e faltava muito parque pra ver.

Dá-lhe, pai.
Saindo de Hogsmeade, chegamos ao Jurassic Park. Vimos uma fila de 5 minutos, e entramos. Era um passeio de barco por um riozinho lá... devia ser divertido. Fomos.

Começou legal, vários dinossauros perto da gente, alguns jogavam água na nossa cara, e tudo era muito "lalalalala". MAS AÍ, DE REPENTE, UMA LUZ VERMELHA COMEÇA A PISCAR, A MÚSICA MUDA... Nós entramos na área "proibida". Os dinossauros mutantes estavam à loucura - e alguns bichos bizarros espirram em ti. EM MIM - correção. É nojento.

Trinta metros de pura queda.
Mas aí, chegamos a um galpão, e o barquinho começa a subir, subir, subir, quase na vertical. Meu pai, se acabando de rir do meu lado, disse "Tudo que sobe devagar... desce rápido.". Esse se tornou o nosso lema da viagem. Carlinhos não gosta de montanhas-russas, simuladores, lugares fechados, quedas, voltas... ele estava tentando não parecer desesperado.

E eu... bom, eu tava lá. Indo. Com fé.

Eis que chegamos ao ápice da subida, e vemos um Tiranossauro Rex em tamanho real na nossa direção, pra nos abocanhar, aí... caímos. Ou melhor, despencamos.

Meus pensamentos naquela hora:
"UIA, QUE DEMAIS, UM TIRANOSSAUROOOOOOOOOOOO AAAAAAAAAAAAAAAAH AAAAAAAAAAAAH AAAAAAAAAH NÃO VAI ACABAR NÃO? AAAAAAAAAAAAAAAH OOOOOOOOOOOOH POFT".

É uma super queda, demora demais.
Despencamos quase 30 metros num ambiente fechado, e caímos com tudo na água. MOLHA TUDO. Meu pai, sortudo como ele é, molhou... a manga. Eu saí encharcada, e cabelo desarrumado. Carlinhos quase tinha perdido os óculos de sol na queda.

Vimos na foto do final da atração como saímos: Meu pai, rindo com uma cara muito engraçada, eu me encolhendo, e o Carlinhos com os óculos meio que caindo. O pessoal da nossa frente também tava com caras hilárias.

Andamos por mais algumas partes do parque que são insignificantes XD agora, e resolvemos voltar pro HP. Digo, eu resolvi.

HORA DE ENCARAR A JORNADA PROIBIDA.
Fomos eu e meu pai - eu já disse o quanto o Carlinhos é teimoso - com a câmera. Filmando tudo. Mais uma vez, eu queria já ter os vídeos a mão... Mas quando eu tiver, posto aqui. Ficaram muito legais.

A fila é mais divertida que o brinquedo.
Passamos pelo castelo inteirinho. Começa pelas masmorras, subindo para as estufas, entramos no castelo, vimos a Gárgula que leva ao escritório do Dumbledore... Até que surge o Dumbledore, lá em cima, na sala dele, e começa a falar com o pessoal da fila. É um holograma, mas mesmo assim, muito real. Parece mesmo que o diretor está lá.

E... RETRATOS.
MUITOS RETRATOS.
Tem uma parede gigantesca só com retratos, e todos eles falam, interagem entre si, mudam de posição... Você fica com torcicolo, porque quer aproveitar tudo.

Tem o Espelho de Ojesed também... Eu vi somente a mim mesma com o cachecol da Grifinória. "Será esse o desjeo mais desesperado do meu coração?". Aí eu lembrei que eu ESTAVA usando o cachecol da Grifinória... Eu devo ser a pessoa mais feliz do mundo.

Numa hora, empacamos: háviamos alcançado a "fila" de verdade. Poxa...
Mas aí, uma porta se abre, e vemos numa sacada Harry, Ron e Hermione saindo debaixo da capa de invisibilidade. Eles ficam dizendo que vão nos ajudar na nossa jornada e tal... Eu gravei, rá. Uma hora, o Rony começa a fazer nevar na gente, e a Hermione faz um movimento de varinha, ouvimos um PLOC, aí para. Incrível.

Outra coisa engraçada é a Mulher Gorda brigando com a gente porque nós não temos a senha. Aí ela resolve cantar... e já viu, né?

Andamos rápido pra sair de lá.
Até que eu percebi que a fila estava acabando. O Chapéu Seletor estava nos dando últimas instruções sobre como sobreviver ao brinquedo, mas eu não estava nem prestando atenção. Só faltava eu pular de emoção.

AGORA, É A HORA!
Um britânico usando o uniforme completo de Hogwarts chega pra você e pergunta: "How many Muggles?" (Quantos Trouxas?).

Eu queria ter respondido "Uma bruxa e um trouxa", mas o cara não parecia ter muito senso de humor, então eu disse "Just 2 Muggles".

Se me perguntassem isso em português, eu diria dizer "Trouxa nenhum, meu amigo. TROUXA é a sua mãe".

Uma pergunta, tantas respostas...

Entramos numa esteira que leva aos carrinhos. São quatro lugares, e nós tratamos de nos prender bem naquela proteção. Soube que o brinquedo tinha muita "emoção".

COMEÇOU. Ele anda de lado até entrar no simulador, e vemos a Hermione tacando Pó de Flu na gente.

E A AVENTURA COMEÇA.
Estamos ao ar livre, voando atrás do Harry e do Rony, em direção ao campo de Quadribol,  passamos pelo castelo e vimos o Hagrid. Eu acenei loucamente. Ele fala, com umas enormes algemas quebradas: "Vocês viram um dragão por aí?". Oh, céus.

"DRAGÃO!" - O Harry grita. ELE ESTÁ ATRÁS DE NÓS, VOE, VOE!
Entramos em um cenário de verdade e a "luta" está acontecendo lá fora. Vem fogo, algumas coisas rasgam, o carrinho vira que nem doido pra todos os lados, inclusive quase viramos de cabeça pra baixo. Numa hora, o carrinho para e surge o dragão - gigantesco - bem na minha frente. Ele berra na sua cara, e joga fumaça. O meu lugar era fantástico, bem localizado.

"Ufa...", pensei.
MAS ERA SÓ O COMEÇO.

Chegamos na parte das aranhas, e é tudo muito escuro. Tem aranhas gigantescas por todos os lados no cenário, e nós estamos bem longe do chão - essa parte não era bem simulador, era tudo real. Uma veio e JOGOU ALGUMA COISA NA MINHA CARA. "Credo, filha do Aragogue", eu exclamei. Não tinha acontecido nada com o meu pai, aquele sortudo...

Aquela parte é assustadora, mas eu só conseguia rir - talvez pra esconder justamente isso - quando o ARAGOGUE surge e tenta te pegar. Pense num bichinho feio...

O Harry nos salva com seu "ARAMIA EXUMAI!". Meu herói...
Além disso, a Hermione, de algum lugar, fica gritando "SIGA A MINHA VOZ!". Ó, minha filha, se eu pudesse...

Eu não lembro direito como, mas chegamos na partida de Quadribol. BEM NO MEIO DE TUDO. Eu ficava me beliscando pra ver se era de verdade. O Draco empurra o Harry, e a partida continua.

Nós voamos pelos aros em alta velocidade, e quase dá pra sentir o vento no nosso rosto quando... "DEMENTADORES NO CAMPO!!!" - Harrry grita. Ai, G-suiz, mais uma...

Eles começam a atacar, e de repente viramos e damos em um cenário complemamente escuro, gelado, como se nunca mais pudéssemos ser felizes de novo... Já sabe, né?

E dezenas de dementadores começam a surgir. Cadê o Harry nessa horas??
Eu gritava para eles "EXPECTO PATRONO!!", e esperava o meu esquilo aparecer e salvar geral, mas, PUTZ, estava sem varinha. E agora?

Os dementadores em tamanho real se aproximam do carrinho - não dá nem pra ver o chão - e começam a sugar a alma de duas pessoas. Logicamente, uma era eu.

O bicho na minha cara, uma luz saindo da boca dele, e eu lá "Oi?".
"SOCORRO, MINHA ALMA ESTÁ SENDO SUGADA!"

O Harry grita de algum lugar "DEIXE ELES EM PAZ! EXPECTO PATRONO!", e aparece o Patrono... Ah, é tão bonitinho... Nós vimos ele ACABAR com a raça daqueles chatos.

"VAMOS, É HORA DE VOLTAR PARA O CASTELO!" - Estávamos na direção do castelo, passamos pelos corredores, até que o carrinho gira e nós aparecemos no Salão Principal, com o Harry levantando a Taça das Casas falando algo como "VOCÊS CONSEGUIRAM! DEMAIS!". Quase o elenco todo está lá. MENOS o Snape, como pode?

Dumbledore assente para gente, e nós ouvimos a voz dele ecoar pelo carrinho... "Não se esqueçam de pegar seus pertences pessoais nos armários quando saírem, menos aqueles que podem ter sido confiscados pelo Sr. Filch...". Adoro.
DE NOVO, DE NOVO.
Valeu a pena cada segundo.
Meu pai tava meio tonto, mas ele tinha gostado do brinquedo.

Encontramos o Carlinhos lá em embaixo, e seguimos para a fila da loja do Olivaras. Estava bem menor. No show, o senhor que interpretava o Olivaras escolheu uma senhorinha muito engraçada, e perguntou se já tinha visto ela antes. PUTZ.

Ele sobe em estantes e pega varinhas para ela testar. É igual ao filme. Muitas coisas acontecem na loja... Ou melhor, são destruídas na loja. No final, tem o famoso "I wonder...", e ele dá outra varinha pra ela. Ela gira e sacode, e um facho de luz a ilumina. Eu tive ataque de riso nessa hora.

"A varinha escolhe o bruxo" - ele repetia.
No final, ele nos dava acesso para a outra parte da loja, onde nós poderíamos escolher nossas varinhas. Eu não gostei muito das originais, então comprei a varinha do Dumbledore, que afinal, também é uma Relíquia - em todos os sentidos.

E EU ACHEI.
OS UNIFORMES.
LÁ.
NA MINHA FRENTE.

Resultado: Saí da loja vestida de Grifinória com uma varinha na mão, serelepe e saltitante.
Eu era enfim uma Grifinória.

***

Nós voltamos no parque outro dia, dessa vez, vestida de Grifinória, e andamos nos brinquedos que ainda não tínhamos ido. Dessa vez, passamos por uma fonte que zoava das pessoas. Sim, uma fonte de água.

Ela jogava água em quem tentava chegar ao outro lado, e falava com as pessoas. "Vejam só, temos uma Grifinória aqui...". Olhei pra trás. Era só eu. Acenei loucamente pra fonte, sorrindo. "Mas quer saber? Eu sou um Sonserino.". O pessoal  ria. Era muito brasileiro por lá. "Desafio vocêm, Grifinória, a chegar mais perto...". Eu que não era doida de chegar perto pra molhar minha roupinha nova. Fiz o sinal de não com a mão. "Covarde...". Covarde não, querido, este é apenas o jeito Sonserino de ser. Esquece que eu sou da Grifinória.

A fonte fazia um show, e jogava água pra todos os lados, tudo coreografado, e tinha luzes, música... Aí ele dizia que nós éramos muito chatos e que ia dormir. E roncava. Aí o pessoal retardado chegava bem perto, E BUUUM, ERA ÁGUA PRA TUDO QUANTO ERA LADO.

No final do dia, eu comi meu sapo de chocolate feliz, porque agora eu SABIA que existia mágica de verdade no mundo... é só dar uma passadinha do The Wizarding World of Harry Potter.


Mais fotos...

Família




segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

O mundo está conectado


Fico muito feliz em saber que pessoas de todo o planeta acessam o blog.
Faz alguns minutos, eu vi alguém de Paris online.
E vocês nem imaginam o quanto isso é importante pra mim.
Eu marco na memória cada acesso, cada pontinho no mapa...

E agora eu gostaria de agradecer.
Saibam que eu leio cada comentário, e embora eu não possa respondê-los, pois o site não permite, sempre que houver possibilidade, eu irei (re)'comentá-los' nos posts.

Muita gente lê usando o recurso do tradutor que eu instalei - e eu sei que a tradução não é ótima, mas vocês continuam voltando, o que é (MUITO) bom.

Se alguém - seja da Holanda, seja da Nigéria - quiser comentar, não se preocupem em tentar traduzir pro português ou até mesmo pro inglês. Podem falar na sua própria língua, que eu dou meu jeito de entender.

Alguns posts são em inglês - pois eu falo a língua inglesa - mas, afinal de contas, eu sou uma brasileira.

E o Brasil está na minha alma - assim como nos meus posts.

Espero conseguir passar pelo menos um pouquinho da alegria brasileira de viver aqui neste cantinho da Internet.

Arrivederci - Tchau, em italiano.

Parabéns, Alan Rickman!

Meu ídolo completando hoje 65 anos...



"Happy 65th Birthday, Alan Rickman! You're an awesome Snape. Now turn to page 394."


DE CARRO PARA O SEA WORLD

 Este post faz parte do especial O DIÁRIO DE UMA VIAGEM PARA FLÓRIDA - THE SUNSHINE STATE. Parte 2.

Nada de dormir tarde, querida.
Você sabe muito bem que amanhã vai ser um longo dia. - Eu ficava repetindo isso mentalmente a cada minuto.

Era no dia 22 que tudo iria começar PRA VALER.

Mas é claro que eu sempre me desobedeço, sou muito teimosa.
De tanto repetir, tinha até esquecido de dormir!

Você não está entendendo nada, né?
Pois muito bem.
Lembra dos esquilos e aniversários do post passado?
Então.
No outro dia, nós viajaríamos pra Orlando, que fica a umas 5 horas de Miami. E o melhor: Se desse tempo, nós ainda visitaríamos o Sea World - é, o parque da baleia que mata as treinadoras.
Mas o Sea World não é nada disso - e você vai ficar sabendo disso melhor mais lá pra baixo.

***


Vikings são legais.

Acordamos cedo - ou melhor, mais cedo do que eu estou acostumada.
Oito horas e já estávamos na estrada.
Meu pai iria dirigir o trajeto todo, porque meu irmão ainda não tem permissão pra isso nos Estados Unidos.
Mas tudo bem, ninguém tava se importando.

O ponto alto da viagem foi quando vimos, do nada, um senhor de bigode sentado numa lambreta com um cachorro de orelhas caídas atrás - os dois usando chapéus vikings. Lembra quando eu disse que americanos são bizarros? Mas muito divertidos.
Eu acenei loucamente para ele.

Mas, depois disso, tudo ficou tããão chato.
Eu até dormi. De óculos.
Você que usa óculos vai entender porque eu achei importante acrescentar essa informação surpreendente.

***

Acordei.
Na rádio, tocava umas músicas country que eu logicamente não conhecia, e o Carlinhos estava dormindo no banco da frente.
Normal.
Olhei para fora: Uma tempestade nada amigável estava chegando.
OH, NÃO, ELA IRIA MELAR O SEA WORLD! Em todos os sentidos.

Passado esse pensamento super preocupante, eu voltei a dormir.
Acordei já em Orlando.
"PÔÔ, PAI, EU QUERIA TER SENTIDO O MOMENTO MÁGICO DE CHEGAR EM ORLANDO!".

Mas Orlando não estava não mágico assim.
Estava muito nublado.
Chegamos no Sea World 1 da tarde. O parque fechava às 6.
Não daria pra curtir nada.
E agora, Zé?

MUDANÇA DE PLANOS.

Resolvemos descobrir onde ficava o hotel.
E como nós descobríamos isso?
Com a ajuda de Josephine, o nosso GPS.
Explicação: Em toda viagem, eu nomeio o nosso GPS. Da outra vez, que fomos para a Bahia, o nome foi Catiroba. Deu pra perceber que a coisa toda é bem cultural, né?

Marriott's Grande Vista era o nome.
Pelo que eu já sabia, não era exatamente um hotel.
Ele tinha sala, cozinha, essas coisas.
Era um baita hotel, muito legal.

Maaaas, se nós teríamos uma cozinha, precisaríamos de... comida, logicamente.
E como tínhamos o resto do dia livre, resolvemos fazer compras.
Primeira parada - Walt Mart.

Eu nunca fiquei tão feliz em um super mercado.
Tinha tanta coisa que antes eu só via em filme...
Acho que fiquei encarando um donut por 30 segundos, sem piscar.
E tudo tão barato! Isso me revolta.
*arranca os cabelos*

De noite, passamos por um Plaza.
Aí vem você e pergunta: Isso não é um shopping mall?
Não exatamente. Lá, os shoppings abertos são chamados de Plazas.
E esse era muito legal.
Só tinha brasileiro lá, por todo canto. Mas a concentração maior era na loja da Nike.
Haja brasileiro por metro quadrado...

***

Flamingos dorminhocos
A DIVERSÃO VAI COMEÇAR!
Era dia de ir pro Sea World, finalmente.
Um sábado ensolarado - e gelado.

Pegamos o carro, configuramos a Josephine, e... fomos.
Estava cheio, e tratamos de memorizar logo onde o carro estava estacionado. Quando a gente volta do parque, sempre está COMPLETAMENTE ACABADO, SEM CONSEGUIR ANDAR DIREITO, entããão é melhor saber logo onde enfiou o carro.



O Sea World, como o nome sugere, é de certa foma, um parque aquático. Ou melhor, que retrata a vida aquática.
Peixes, tubarões, baleias, manatees, pinguins, ursos polares, leões marinhos - tem de tudo lá.

Só que a maior atração de todas, é o show da baleia Shamu. E não, não foi essa que matou a treinadora. Só para constar, a baleia foi aposentada.

É o show que mais lota, e fica numa grande arena.
Mas eu devo dizer que fiquei um pouquinho decepcionada com a coisa toda.

Em 2006, quando eu fui pra Orlando pela primeira vez, lembro de ter visto esse show. Os treinadores pulavam na água, nadavam com as baleias, e faziam a acrobacias com elas. Era fantástico - e assustador, também. Eu não gosto de baleias.

Mas, depois do acidente ano passado (ou foi retrasado?), as baleias fazem tudo sozinhas, e os treinadores ficam lá longe comandando.
Sabe... É incrível, mas não espetacular. É... seguro. Seguro demais. Mas eu entendo.

Nós gravamos boa parte do show, e quando eu conseguir os vídeos, coloco aqui.

Também gravamos o show que tem os golfinhos, que é muito lindo, e com uma trilha sonora emocionante.

Mas eu sei o que vocês estão esperando... Sim, os tubarões.
Você passa num tubo dentro do aquário, onde tem vários tubarões e arraias passando por todos os lados, inclusive em cima de você.
Nenhum tubarão é gigantesco, claro, mas todos ficam bem pertinho. Até parece que eles GOSTAM da atenção, sério mesmo.

Meu pai também gravou isso, e a minha cara de panaca olhando pra eles e apont
ando.
Espero conseguir esses vídeos logo.

Visitamos o "Pólo Norte", onde podemos encontrar os ursos polares, baleias Beluga, morsas, e muitas outras coisas - por duas perspectivas, a deles e a nossa.

Eu adoro aquários.
Agora estar dentro deles... não tem preço.
E essa foto do lado diz tudo.

Ainda bem que nós fomos com calma para o Sea World.


Mais fotos...




sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

AVIÃO E A CASA AMERICANA

Este post faz parte do especial O DIÁRIO DE UMA VIAGEM PARA FLÓRIDA - THE SUNSHINE STATE. Parte 1.

19 de janeiro.
Eu esperava ansiosamente por esse dia - o dia que eu iria sair de Manaus, o dia que eu iria viajar para longe, o dia que eu iria para a FLÓRIDA - e já acordei animada.

Ou quase, porque eu nunca acordo animada.

WHATEVER, a única coisa que me incomodava era que eu iria perder uns 3 dias de aula durante a viagem, mas eu logo esqueci disso... Também, né?

O voo era no pior horário possível: 2 da tarde. Por que isso é ruim? Porque. você. sente. cada. hora. de. voo.
O voo tinha 5 horas e meia.

Aqui no aeroporto deu tudo certo, e o cara da Receita Federal até conhecia o meu pai, que estudou no Colégio Militar e foi Coronel-Aluno (uma baita coisa), e disse "Obrigada, Kizem" no final, admirado. E olha que quem devia dizer isso era a gente, afinal, era ele quem decidia se a gente viajava ou não... *risos*

Eduardo, eu e Carlinhos na Hamburgueria
Na sala de espera, meu pai nos contou mais sobre o Eduardo e sua família.
Eduardo é um super amigo do meu pai que mora em Miami, mas é colombiano, e é casado com a Renata, uma brasileira. O nome da filha deles é Sabrina, e ela português, inglês e um pouco de espanhol. Pode?
E tem, é claro, Teddy - o grande Terrier - que não deve ser esquecido.

Uma coisa que eu achei muito engraçada e peculiar, é que a Renata tem um medo mortal de penas. Sim, penas, penas de pássaro. É só ver uma voando que ela sai correndo e fica a uns 30 metros de distância.

O Eduardo disse que já tentou fazer ela perder esse medo estranho, pegando penas e balançando na cara dela. Resultado: ela passou uns dias traumatizada.

Hoje, quando o Eduardo vê uma pena, ele esconde, arrasta, engole, QUALQUER COISA. É, ele ficou com "pena" dela.

INCRIVELMENTE, o avião partiu EXATAMENTE na hora certa.
Estava passando "A Troca" no voo, mas quase nem deu pra assistir. O povo não parava em pé, e não deu pra ver o filme direito...
Sério, aquele avião parecia mais um ônibus.

Uma hora, o Carlinhos - meu irmão mais velho - ficou com o nariz agoniado para espirrar. COMPLETAMENTE agoniado. Acabou que ele espirrou na janela, sorte que tava fechada. Dois segundos depois, ele abriu a janela, e tava o maior sol, aí ele espirrou de novo, molhando (eca!) as DUAS partes da janela. Cara, na hora foi muito engraçado.

Eu tentei dormir, eu tentei ler, eu tentei ver o filme, eu tentei ouvir música... Eu só queria me manter ocupada. O voo parecia interminável.

ATÉ QUE SURGIU A VOZ DA SALVAÇÃO: O COMANDANTE DIZENDO QUE NÓS JÁ ÍAMOS ATERRISSAR. Foi como música pros meus ouvidos.

***

Os americanos me assustam.
Pra falar a verdade, tudo lá me assusta.
Começando por aquele troço lá da imigração.
Todo mundo mal encarado, doido pra te prender... Tá, não é bem assim, mas na hora parecia.
Meu pai entrou com o passaporte português dele, e deu mais uma vez tudo certo pra gente. Da outra vez, tivemos que ficar na salinha da FBI [?] esperando a autorização pra sair, por causa do nome do meu pai, que é "suspeito".

Os americanos me assustam.
Tinha um cara lá no aeroporto deitado num banco, cantarolando e olhando pra cima, com as mãos para o alto. Eu estava sentada perto dele, foi assustador. XD

SÓ QUE AÍ, CHEGOU O EDUARDO.
E ele nos levou pra uma hamburgueria muito boa que eu esqueci o nome.
O começo da viagem só foi chato porque eu tava muito nervosa e travada. Não entendia nada que as caixas falavam, e fugia das pessoas... Só pra não ter que falar nada.

Depois, o Eduardo nos levou pra casa dele, onde nós passaríamos duas noites antes de seguir caminho de carro pra Orlando, que é relativamente perto.

O engraçado é que naquela casa, todo mundo fala tudo muito misturado, várias línguas ao mesmo tempo. Um fala em inglês, o outro responde em português, e às vezes era tudo embaralhado na mesma frase.

Outra coisa fantástica na casa dele é a vista dos jardins de trás. Tem um lago, um chafariz ao fundo... enfim, é muito bonita.

No dia seguinte, Eduardo nos levou para conhecer Miami (meu pai sempre vai lá, mas eu e o Carlinhos não). Fomos a uma praia com um Farol, só pra olhar, é claro.

E, quando estávamos saindo, ADIVINHA O QUE EU ENCONTRO?

Um esquilinho, do lado do nosso carro.
Vocês são que eu não resisto a esquilos.
Eu tive que tirar fotos, e segui até ele sumir de vista.
Eles pulam muito fofinho, e são tão pequenininhos...

Depois, fizemos um passeio de barco, que mostrava as casas luxuosas de váários artistas que têm residência de férias lá. Sério, até a casa da Xuxa eu vi.

Só que aí... problema. Meu irmão conseguiu perder - de alguma forma - os óculos dele, e ficou me culpando pela perda daquela porcaria. O resto do dia foi tenso por causa disso.

À noite, fomos a um restaurante de massas. Estávamos todos lá, mais uma amiga da Sabrina, a Gianna, que não falava nem português nem espanhol. Eu queria ficar longe dela pra não ter que conversar, mas aí... me botam do lado dela.

AI, G-SUIZ!
"Ok, ok, eu aguento", ficava pensando.
Provavelmente eu falei muita besteira, maaas...

No final do jantar, eu vi a Renata conversando com um garçom sobre alguma coisa. Ok. Dois minutos depois, TUDO SE APAGA, OS GARÇONS SURGEM DA COZINHA, E A MINHA MESA COMEÇA A CANTAR PARABÉNS EM PORTUGUÊS NO RESTAURANTE.

"WTF?" - eu pensei, assim como o resto das pessoas devem ter pensado também.

Eis que surge um bolo magnífico, e eu percebo que aquilo tudo é pra mim.
"MAS O MEU ANIVERSÁRIO FOI DIA 10!" - tentei argumentar, mas nem insisti, afinal, o bolo parecia muito bom.

O Eduardo disse que ainda tinha MAIS UM presente de aniversário: Três entradas para o Cirque du Soleil, do show La Nouba.

Eu estava mais ou menos assim: " ... ".
Pelo visto, a viagem seria boa.


Carlinhos, Sabrina, Gianna, Carlos (papai), eu, Renata e Eduardo


Mais fotos...








quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

DIÁRIO DE UMA VIAGEM PARA FLÓRIDA

Cá estou, como prometido, com a série de posts DIÁRIO DE UMA VIAGEM PARA FLÓRIDA - THE SUNSHINE STATE, com todas as aventuras que ocorreram comigo em Orlando e Miami, no início desse ano.

Mas, antes de tudo, umas explicações básicas:

Como vai ser isso?
Todo dia, irei postar pequenos posts com fotos, explicações, histórias, e muitas babaquices que aconteceram comigo lá, além de falar sobre a cultura americana - no que ela se difere da nossa - e das pessoas fantásticas que eu conheci.

Vai interferir nos posts normais do blog?
Eu vou continuar postando meus textos, poemas, divagações e piadas infames durante isso, não se preocupem, hehe.

Quantos posts o especial vai ter?
Meninozinho, nem eu sei. Mas MUITOS, tenha certeza.

E as fotos?
Sempre estarão presentes nas postagens, afinal, elas que são a graça da coisa. Quem não quer ver a Cerveja Amanteigada? Quem não quer ver o castelo da Cinderela E a Cinderela? Pois é.

Ah, então vai ser legal, né?
Pode apostar que sim, colega.

SO... LET THE ADVENTURE... BEGIN (AGAIN)!

"VOU PRECISAR DE FÉRIAS DESSAS FÉRIAS" - Pode apostar, pai.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Saudade imaginária


Lembro de quando você
Aparecia, do nada
Somente para me ver
E nós conversávamos
Coisas sem nexo
Coisas engraçadas
Coisas que eu nem ao menos lembro direito
Mas eu sei que você estava lá
E isso bastava.

Lembro de quando
Só a sua presença
Me relaxava
Acalmava
Afastava os pesadelos
E me fazia feliz.

Nós fizemos tanta coisa...
Você lembra daquele dia na floresta?
Depois nós fomos tomar chá
Eu nem gosto de chá
Mas eu gosto da sua companhia
E aceitei de bom grado todos os seus biscoitos
Céus, como você cozinha mal
E nós ríamos disso.

Lembra daquele dia no baile?
Não terminou bem, eu sei
Mas eu esqueci todas as partes ruins.
Lembro do meu vestido azul de laço
E de como ele rodopiava feito um vendaval
Lembro do quanto eu chorava
Até você aparecer.

Mas o que eu lembro com mais alegria
Era o modo que você sorria - somente para mim - e me chamava de "pequena"
Nomes não importavam
E nós compartilhávamos essa mesma ideia
Além de muitas outras.

Só há um problema
Porque sempre existem problemas

Você não é real.
Você é o sonho que uma vez eu sonhei.
Mas isso não me impede
De sentir falta de você
A cada momento
De cada instante

Toda noite

Quando eu vou me deitar
Eu sonho
Sonho em ter você de volta.

Não perturbe


Meu canto.
Meu espaço.
Meu lugar.
Minha paz.
Meu quartel-general.
Meu quarto.
Só meu.

Desorganizado,
Cheio de trecos... e lembranças.
Não que o quarto seja importante.
Ele não é.
Mas o que ele representa.

É meu.
Só meu.

Não perturbe.

Eu me rendo aos corações


Desprezo.
Por que continuam a fazer isso?
Por que precisa ainda ser acompanhado por aquele bico ridículo?

Horror.
É por qualquer motivo.
É em alguem lugar.
É com qualquer pessoa.

Onde está o verdadeiro coração?
Onde está o sentimento?

Não me diga o que é um S2.
É só um S seguido de um 2.
Aqui em casa, é a garagem de baixo.
Meu carro fica no S1.

Cadê o real coração?
Sumiu?
Escafedeu?

Eu me recuso a fazer parte desde grupo ridículo.
Meninas patricinhas, meninas fúteis.
Não, o Fiuk não ama vocês.
Não, aquela garota da fila do pão também não ama você.

"Eu te amo" não é " Bom dia".

"Você não gosta porque é modinha".
Eu não gosto do que fazem com as modinhas.
Mas, se quiser fazer um paralelepípedo usando a minha mão, eu aceito.

Mas, então, eu vi.
Eu achei o coração!
E entendi o real significado dele.
Entendi quando ele deve ser usado.
E eu adoraria fazer parte da foto acima.

Mas eu não faço.
Eu não posso.

Enquanto isso, para mim já basta admirar o coração nas outras pessoas...
O coração lá naquela paisagem...
O coração lá longe, nas alturas.

Aí está você, amor.