segunda-feira, 23 de maio de 2011

A garota da capa azul


Sorrateiramente, a garota da capa azul perambula pelos confins da cidade. Não floresta. A garota da capa azul vive na selva urbana.

Ela não é loira de belos cabelos cacheados, e muito menos de pele rosada. Pelo contrário, anos vivendo debaixo do sol de rachar a deixaram mais morena e queimada que nunca. Os cabelos escuros e rebeldes presos num rabo improvisado, com uma liga que ela achou pela rua.

Sua capa azul não é de seda. Na verdade, era de uma cortina antiga de uma das patroas de sua mãe. Nada luxuoso, ela sabia, mas era o que podia vestir. E a usava com dignidade.

Os doces não eram para a vovozinha. Eram para vender.
Andava rapidamente pelos carros, oferecendo uma das guloseimas de sua mãe. Se o dia fosse bom, talvez ela pudesse ficar com o último do pacote. E esse simples pensamento já a deixava feliz.

Não que sua mãe fosse tão irresponsável quando a do conto, pois não era. Mas é que não havia escolha, e a garota entendia já entendia isso, no auge dos seus 8 anos.

Também entendia que não podia deixar nenhum lobo mau a pegar. Sabia que eram perigosos, e que se visse um na rua, deveria correr o mais rápido que pudesse. Mamãe nunca explicou o porquê, mas sabia que era isso que deveria fazer.

Mas a garota da capa azul tinha um sonho. E você sabe, não há nada mais forte que um sonho. Especialmente em uma garotinha de 8 anos.

Tudo que ela queria... bem, era uma capa nova.
De uma cortina que ela viu por aí... estampa de estrelas. É, isso seria legal.

Pois não há nada mais puro que o coração de uma criança, não importa o lugar de onde vem.


3 comentários:

Flávia Martins disse...

Nossa, esse texto foi realmente muito bom. Voce abordou o assunto de uma forma incrivel.

Parabens, continue assim.

Bjus

Fla Martins

Flávia Martins disse...

Nossa, esse texto foi realmente muito bom. Voce abordou o assunto de uma forma incrivel.

Parabens, continue assim.

Bjus

Fla Martins

Poiison Giirl disse...

Owwn que lindo